Como tirar retratos de maior qualidade

Saiba mais acerca dos elementos de uma boa fotografia de retratos

Não pode ser assim tão difícil, pois não? O seu amigo/cônjuge/filho pede-lhe que o fotografe. Tem uma boa câmara digital. Pegue nela e tire a fotografia. No entanto, não gosta do resultado e não sabe porquê. A imagem está focada e a exposição está correta. Então, o que está mal? Acaba de aprender que há mais elementos para tirar um bom retrato do que tirá-lo com a técnica correta.

Em primeiro lugar, pense um pouco no fundo. Não deverá desviar as atenções do motivo. Uma parede lisa, folhagem verde escura, qualquer coisa simples (sem linhas grossas ou padrões) funciona bem. Não há nada pior do que uma linha, um poste ou um ramo que parecem sair da cabeça do motivo.

© Gary Small

D800, objetiva AF-S NIKKOR 24-120mm f/4G ED VR, 1/250 s, f/6.3, 100 ISO, Prioridade ao obturador, Medição matricial, flash de enchimento.

Nesta fotografia, há um sinal que "sai" da cabeça do motivo.

© Gary Small

D800, objetiva AF-S NIKKOR 24-120mm f/4G ED VR, 1/250 s, f/4, 100 ISO, Prioridade ao obturador, Medição matricial, flash de enchimento.

Nesta fotografia, movemo-nos uns metros (para que não apareçam mais sinais) e criámos uma fotografia mais agradável.

Tenha em conta o fundo

Se fotografar alguém contra um fundo brilhante, é provável que obtenha uma silhueta. Isso acontece porque a luminosidade que aparece por trás pode fazer com que a câmara subexponha o motivo, fazendo com que este pareça escuro. Para evitar este problema, pode utilizar o flash incorporado da sua D-SLR Nikon ou ativar a função de flash da câmara digital COOLPIX ou Nikon 1. Mas, embora adicione luz à cara, ainda terá o problema do fundo com demasiada luz. 

Todas as D-SLR e COOLPIX da Nikon incluem compensação de exposição. Exponha em excesso em um ou dois f/stops ou as velocidades do obturador para compensar a luminosidade do fundo. Se os resultados ainda não forem os desejados, experimente um fundo diferente, de preferência um fundo mais escuro do que o motivo.

Tenha em atenção que a fotografia tem de ter como protagonista o motivo. Não fotografe toda a zona que rodeia o motivo. Mova-se fisicamente ou utilize uma teleobjetiva ou uma objetiva com zoom para aproximar-se. Isole o motivo contra o fundo simples que encontrou. As cabeças das pessoas são verticais. Fotografe-as desse modo. Os retratos horizontais podem ter um aspeto estranho.

© Gary Small

D800, objetiva AF-S NIKKOR 70-200mm f/2.8G ED VR II, 1/250 s, f/2.8, 100 ISO, Prioridade à abertura, Medição matricial, flash de enchimento com elevação incorporado.

O enquadramento deste retrato não é nada interessante. O motivo está sentado junto a uma parede de tijolos, centrado no enquadramento, com muito espaço extra ao seu redor que não acrescenta nada à imagem.

© Gary Small

D800, objetiva AF-S NIKKOR 70-200mm f/2.8G ED VR II, 1/125 s, f/5, 100 ISO, Prioridade à abertura, Medição matricial, flash de enchimento com elevação incorporado.

Nesta captura, pedimos ao motivo que se inclinasse sobre a parede e que se virasse de frente para a câmara. Também recortámos a imagem (na vertical) para obter um aspeto mais interessante. O fundo de tijolos é agora um elemento dinâmico no enquadramento.

Pense no estilo

Em seguida, tenha em conta o modo como o motivo está vestido. As cores sólidas tendem a funcionar bem em retratos, basicamente porque não distraem. Os padrões brilhantes gritam: olhem para mim, não olhem para a cara.

© Gary Small

D300, objetiva AF-S NIKKOR 24-85mm f/2.8-4D IF, 1/30 s, f/3.5, 200 ISO, Prioridade à abertura, Medição matricial, flash com elevação incorporado na câmara.

Nesta imagem, o motivo veste uma camisa com um padrão e está sentado junto a uma estante cheia de objetos (à esquerda) e tem umas persianas verticais sobre o outro ombro.

© Gary Small

Objetiva D300, AF-S NIKKOR 24-85mm f/2.8-4D IF, 1/30 s, f/3.8, 200 ISO, Prioridade à abertura, Medição matricial, SB-900 refletido no teto com um refletor que proporciona luz ao motivo.

Nesta imagem, pedimos ao motivo que se movesse para que as persianas verticais se convertessem no fundo. Também lhe pedimos que vestisse uma camisola com uma cor sólida. E, ao fazer zoom para obter uma imagem mais bem recortada, eliminámos as distrações restantes. A luz refletida no teto proporciona uma iluminação suave à imagem.

Ângulos favorecedores

Por último: a menos que esteja a tirar fotografias para o departamento de polícia local, não fotografe o motivo de frente. Faça com que o motivo rode um pouco o corpo (talvez uns 45 graus em relação a si) e que rode a parte posterior da cabeça para si. É uma pose mais agradável e mais favorecedora que também ajuda a estilizar a figura.

© Gary Small

D800, objetiva AF-S NIKKOR 24-120mm f/4G ED VR, 1/60 s, f/4, 400 ISO, Prioridade à abertura, Medição matricial, Speedlight SB-900, flash direto. 

Nesta fotografia, temos vários problemas. Primeiro, com o flash direto no motivo, há uma grande sombra no fundo.

Em segundo lugar, o fundo está um pouco confuso, com partes de molduras de quadros nas partes laterais, o teto visível na parte superior e um sofá perto da parte inferior do enquadramento. Por último, a pose reta não é favorecedora.

© Gary Small

D800, objetiva AF-S NIKKOR 24-120mm f/4G ED VR, 1/60 s, f/4, 400 ISO, Prioridade à abertura, Medição matricial, Speedlight SB-900, flash refletido.

Criámos uma imagem agradável fazendo zoom no enquadramento para isolar o motivo. O fundo já não é uma distração. Ao fazer refletir o flash no teto, a iluminação ficou mais suave (sem grandes sombras a limitar a imagem).

Por último, em vez de ter o motivo em posição perpendicular à câmara, pedimos-lhe que se colocasse num ângulo com a cabeça virada para a câmara e os braços cruzados.

Artigo e imagens cedidos por Gary Small.